Sahifa fully responsive WordPress News, Magazine, Newspaper, and blog ThemeForest one of the most versatile website themes in the world.

Frente Parlamentar em Defesa das Entidades Sociais será lançada na Assembleia

cartaz3

Frente Parlamentar proposta por Caruso pode se tornar marco histórico na relação de entidades com o Estado, dizem ativistas sociais.

Na próxima segunda-feira, dia 02 Abril às 14h30, no auditório Franco Montoro na Assembleia Legislativa de São Paulo, será lançada a Frente Parlamentar em Defesa das Entidades Sociais de São Paulo.

É esperada a presença de mais de 500 ativistas sociais membros e/ou voluntários de entidades sociais, e uma centena de vereadores de todo o estado que serão nomeados como membros consultivos da Frente.

“A frente tem uma premissa, queremos que a Casa vote a queda do famigerado e insensível veto do governador ao nosso Projeto 718 que viabiliza o uso dos cupons fiscais doado pelo consumidor às entidades cadastradas no programa Nota Fiscal Paulista” , disse o deputado Jorge Caruso, proponente da Frente.

Após mudança do Programa Nota Fiscal Paulista, entidades sociais perderam verba e reduziram os serviços e algumas até fecharam

Nova Lei de incentivo ao Social
Segundo informou a assessoria do deputado, a Frente também estuda propor uma Lei nos moldes da Lei de Incentivo ao Esporte e do Programa de Incentivo à Cultura (PROAC), que tem como base a destinação de parte do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços de Transporte e de Comunicação (ICMS).

“Essa Lei se faz pertinente porque o terceiro setor é a maior parceria público-privada do país, segundo estudos, a cada R$ 1 investido nas entidades, estas devolvem em torno de R$ 6 em serviços às pessoas mais necessitas, falamos de pessoas com deficiência, idosos, crianças e pessoas em situação de risco”, finalizou Caruso.

As entidades paulistas executam mais de 255 milhões atendimentos por ano no Estado de São Paulo.

Entenda o PL

O projeto visa alterar a Lei 12.685, de 28 de agosto de 2007, que dispôs sobre a criação do Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo, acrescentando a seguinte redação:

 Em síntese, a redação traz à esfera da legalidade a manutenção de cadastramento das doações, contrariando a burocracia proposta pela Secretaria da Fazenda na Resolução SF 18, de 09 de março de 2017.

“§3º A entidade de direito privado sem fins lucrativos poderá, independente do meio tecnológico empregado, cadastrar o documento fiscal doado por consumidor, emitido em razão da aquisição de mercadorias, bens ou serviços de transporte interestadual ou intermunicipal, desde que o documento fiscal não indique o CNPJ ou CPF do consumidor.”

Para a diretor financeiro da Casa do Vovô, Luis Sérgio Rocha, em um primeiro momento, a mudança causa grande apreensão. “No novo formato, não sabemos como as pessoas irão reagir a necessidade de terem que se cadastrar no sistema e despender um tempo doando estes cupons”.

Ele pondera também que nem todas as notas ficais possuem o QR code (o que facilita a doação pelo APP) e que algumas pessoas terão dificuldade em ler e digitar todos os dígitos do CNPJ, código COO e valor da nota no momento da doação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *